Ministro da Defesa quer decisão sobre Embraer e Boeing só após eleições 2018

O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, disse nesta quarta (1º) considerar como melhor cenário que a fusão da Embraer e da Boeing seja tratada após o período eleitoral. A avaliação foi feita após a assinatura da nova edição do Programa Estratégico de Sistemas Espaciais (Pese), projeto coordenado pelo Comando da Aeronáutica.

De acordo com o ministro, tratar da questão durante as eleições poderia prejudicar as negociações. O ministro afirmou ainda que o Ministério da Defesa tem se preocupado com a preservação da soberania e com a defesa da capacidade tecnológica alocada em projetos militares alavancados pela Embraer.

A fusão das duas empresas foi anunciada no dia 5 de julho, quando a Boeing confirmou em memorando que negociava com a Embraer. Na ocasião, foi divulgado que a companhia norte-americana ficaria com 80% da divisão de jatos comerciais da Embraer ao custo de US$ 3,8 bilhões.

Desenvolvedor Web - Relbert Ribeiro