GM tem dia D e insiste em regras novas para novos trabalhadores lesionados

A General Motors quer regras novas para novos trabalhadores lesionados. O ponto que mexia na estabilidade dos trabalhadores, que tem algum tipo de lesão, a chamada cláusula 40, continuará válida, mas só para quem já é empregado da montadora.

Ainda assim este é um ponto de discordância e que será levado para a assembleia de trabalhadores nesta quarta-feira à tarde. O presidente da Associação dos Trabalhadores Lesionados Metalúrgicos (ATL), Luís Fabiano, dá mais detalhes a respeito do pleito da categoria, uma vez que o número de lesionados na GM é bastante grande.

Veja os pontos que geram descontentamento nos trabalhadores GM

GM recua e assembleia decide na quarta-feira futuro da planta em São José

Reuniões movimentam trabalhadores a respeito da situação da GM

Dos 4.800 trabalhadores da unidade, 1.300 estão lesionados e 70% deles estão na ativa, de acordo com o dirigente da associação.

A falta de cláusula de garantia de emprego para quem já está empregado, piso salarial de R$ 1.700, data-base sem reajuste salarial neste ano, falta de estabilidade para novos lesionados, redução gradativa no pagamento de adicional noturno são alguns dos 10 pontos colocados na mesa pelos negociadores da General Motors, que desagradam aos trabalhadores da montadora.

Hoje à tarde (06/02), acontece assembleia com os trabalhadores da GM, a partir das 14h30, no pátio da montadora em São José dos Campos para a apresentação destas propostas. Caso os trabalhadores aceitem a pauta da GM, a montadora promete investir R$ 5 bilhões na unidade a partir de 2022.

Jesse Nascimento

Desenvolvedor Web - Relbert Ribeiro